• Receba posts por e-mail

    Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

  • Siga-nos

Com que brinco eu vou? Furar as orelhas do bebê

Laís, uma das minhas filhas poucos dias após os furos nas orelhas. Foto: arquivo pessoal

Furar ou não as orelhas do bebê é uma decisão muito pessoal. Alguns pais preferem esperar as filhas crescerem para decidirem se querem ou não ter furos nas orelhas; outros alegam ser uma violência ao corpo e que não vale o risco de infecções e exposição a dor apenas por vaidade dos pais e da sociedade; e há os que optam em levar seus bebês o quanto antes para a colocação dos brincos. Seja qual for a sua decisão, não se culpe ou se arrependa como tenho lido em tantos depoimentos na internet. Se optar pelos furos, procure um bom profissional para fazê-los.

Maria Beatriz Nakatani mãe da Melissa (6 meses), decidiu pelos furos quando sua bebê completou 2 meses.

“Minha médica recomendou uma enfermeira do hospital Santa Lúcia, em Brasília, que foi até a minha casa e furou as orelhas da minha filha. Foi tranquilo, ela chorou um pouco quando furou a segunda orelha, acho que mais pelo susto,” relata.

Maria Beatriz pagou R$100,00 pelo serviço.

Também decidi furar as orelhas das minhas filhas o quanto antes. Amo brincos e nunca pensei que furar as orelhas fosse um ato de violência porque o meu conceito de violência é outro, aliás, está bem longe disso. Furar as orelhas pra mim é um ato de amor, de querer ver minhas filhas ainda mais bonitas. Dor, todos sentimos em algum momento da vida. Dor de cabeça, dor de garganta, dor de dente, pra tirar sangue, tomar vacinas… inevitável!

Hoje, minhas filhas têm 6 anos e são mega vaidosas, amam brincos. Imagina se não tivessem furos nas orelhas para usá-los? Mas veja bem, pode ser que a sua filha não queira usar brincos quando crescer, vai saber! Mãe não é perfeita e não tem que saber de tudo, muito menos adivinhar o futuro. Pelo amor de Deus, já são tantas preocupações desde o nascimento dos bebês, culpas, cuidados, precauções… E quando crescem, então… Menina, larga esse celular vai brincar! Que aplicativo é esse? Come, menino! Cuidado com a lagarta! A piscina é funda! Cuidado com a corda!

Gente, não “tá” fácil ser mãe na era da internet com um turbilhão de informações sobre como criar, educar e cuidar dos filhos. Sem falar nas tragédias diárias envolvendo crianças, transmitidas pelos noticiários, que nos apavoram e nos deixam alerta dia e noite. Diante de tudo isso eu te pergunto: o que é um furo na orelha? Tenho lido versões conflitantes sobre o assunto e depoimentos sofridos que me fez pensar: pra quê tudo isso? Você aí nessa sofrência, cheia de discursos, aí sua filha cresce e resolve colocar um, um não, dois, três piercings. Ahahah! Nada contra, uso um na orelha e adoro.

Não existe uma idade mínima ou ideal para a realização dos furos, mas preferi esperar até que as minhas filhas tomassem as primeiras doses das vacinas, inclusive contra tétano e hepatite, mesmo sabendo que o local escolhido para a realização dos furos é totalmente idôneo. Coisa de mãe, sabe como é!

Alguns pediatras recomendam furar após os 15 dias de nascido; já outros, 2 meses, 18 meses… Se tiver insegura, converse com o pediatra do seu bebê a respeito.

Minhas filhas nasceram em São Paulo, onde os furos foram realizados por um acupunturista muito bem recomendado. De acordo com instruções no site furonaorelha, o ideal é que os furos sejam feitos em pontos neutros para que não haja perda ou ganho de energia para os órgãos. Pedi uma explicação mais detalhada sobre essa afirmação para o Dr. Walter Douglas Dal Mas, com 39 anos de experiência em acupuntura e autor do livro Auriculoterapia e Auriculomedicina na Doutrina Brasileira (2004), editora Roca. 

Segundo o Dr. Walter “a nossa orelha é como se fosse um feto de ponta cabeça, nela refletem todos os nossos órgãos. Sendo assim, ao furar a orelha sem a devida identificação do ponto correto, podemos prejudicar o órgão ao qual esse ponto corresponde. Quando colocamos o brinco em algum ponto de acupuntura, alteramos o equilíbrio energético yin ou yang. Nenhum dos nossos órgãos podem ter excesso ou falta de energia, pois isso acarreta desequilíbrio dos meridianos que circulam em nosso corpo. Por isso, há a  necessidade de colocarmos os brincos em pontos denominados neutros, onde não haverá nenhuma perda dessa energia, essencial para o nosso bem-estar.” 

Meridianos são linhas de energia que comandam cada órgão do corpo. Yin e Yang são as energias positivas e negativas que em equilíbrio favorecem o bem-estar.

Os brincos mais indicados são de ouro maciço para diminuir o risco de infecção e alergias. Compramos brincos próprios para recém-nascidos de ouro com pérola. Foi muito rápido. Dr. Walter passou uma pomada anestésica e identificou o local adequado para fazer os furos. As crianças não choraram. Após o procedimento recebi as seguintes recomendações:

  • Limpar a orelha com algodão embebido em álcool 70% ou cooperálcool após o banho ou pelo menos 2 vezes ao dia;
  • Não retirar os brincos por 8 dias;
  • Efetuar a primeira troca dos brincos após 30 dias, colocando-os para ferver por 5 minutos;
  • Limpar os lóbulos das orelhas com algodão embebido em álcool 70% ou cooperálcool;
  • Efetuar uma troca de brinco a cada 30 dias durante 6 meses, limpando e esterelizando;
  • É proibido o uso de brinco de argola e sempre deve se utilizar brinco de ouro nas 6 primeiras trocas.

 

Dr. Walter Douglas Dal Mas atende em São Paulo em duas unidades, Mooca e Pç. Tomás Morus. Na unidade Mooca cobra R$: 130,00 pelos furos e na outra unidade cobra R$: 200,00.

Consultório Mooca – R. da Mooca, 2518 cj.52 / (11) 2693-1333

Consultório Água Branca – Pç. Tomás Morus, 81 cj. 304 / (11) 3872-7279

Dá uma olhadinha no vídeo filmado pelo pai de uma bebê enquanto o Dr. Walter furava as orelhinhas dela.

Vídeo enviado pelo Dr. Walter.

 

 

 

 

 

Tags , , , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre planetamae10

Blog de maternidade

2 respostas para Com que brinco eu vou? Furar as orelhas do bebê

  1. Celia diz:

    Olá. Tinha uma dúvida com relação a qual brinco usar, prata ou ouro e pelo que li o mas recomendável é o ouro. Para quem não gosta de ouro, existe um tempo certo que pode mudar para o prata?

    • planetamae10 diz:

      Olá, Célia! De acordo com as instruções, os brincos de ouro devem ser trocados a cada 30 dias, durante 6 meses. Bjs. Pati

Deixe seu comentário